TradTerm - Número 17

 

Irene Ruth Hirsch  [4 de junho de 1954-28 de abril de 2010]

 

 

Este volume é dedicado à memória de Irene Hirsch, que faleceu de complicações de câncer, em 28 de abril de 2010. Irene foi minha aluna de mestrado (“A Baleia Multiplicada: Traduções, Adaptações e Ilustrações de Moby-Dick”, 1998), e, posteriormente, de doutorado (com o trabalho “História dos EUA: Made in Brazil”, de 2002, publicado como Versão brasileira: traduções de autores de ficção em prosa norte-americanos do século XIX, pela editora Alameda de São Paulo, em 2006). Seu mestrado deu importância especial às adaptações e às ilustrações de Moby Dick; e o estudo de doutoramento tratou da influência da cultura norte-americana exercida sobre o Brasil por meio de traduções de literatura. Recentemente, trabalhamos juntos num projeto sobre o papel da tradução na Inconfidência Mineira, sendo que os primeiros achados de Irene estão no artigo deste volume: “Traduções na América portuguesa: as bibliotecas dos revolucionários brasileiros”. Seu trabalho foi muito significativo na divulgação da importância dos estudos históricos da tradução no Brasil.

Em 1997, Irene e eu tivemos a ideia de iniciar uma revista que reunisse traduções de poesia e ficção curta, e assim nasceram os Cadernos de Literatura em Tradução. Irene cuidou da organização e formatação dos primeiros sete números, alguns dos quais, juntamente com a sua irmã Sylvia. No volume 1 dos Cadernos, publicou “A Baleia Traduzida”, sobre a sua pesquisa  das traduções de Moby-Dick, e, no volume 6,  “Escritos da abolição”, a tradução de um trecho de Meu Cativeiro e Minha Liberdade, de Frederick Douglass. 

Irene foi também tradutora: Moby-Dick (2008), A Piscina Mortal (2007), Mas Não Se Matam Cavalos? (2007), Um Assassino entre Nós (2007), O Vale do Terror (2006), Bartleby, o escrivão (2005), Chocolate, Piratas e Outros Malandros (1999), A Primeira Crise da Dívida Latino-Americana (1998). Pessoas Extraordinárias: Resistência, Rebelião e Jazz (1998), sendo que algumas dessas obras foram traduzidas em co-autoria.

Esperávamos que a Irene fosse ver a publicação deste número de TradTerm, mas não foi o caso. Em 28 de abril, minha orientanda do doutorado, Maria Teresa Quirino, de cuja banca de defesa de mestrado Irene participou, voltava da USP para Sorocaba lendo Bartleby na tradução de Irene. Logo depois de chegar em casa, recebeu a mensagem eletrônica que enviei sobre a sua morte...

Irene e eu também tivemos a ideia de fazer este número especial de TradTerm: A Tradução no Brasil: História, Sociedade, Política. Além do artigo da Irene, sobre os conteúdos das bibliotecas dos Inconfidentes e dos participantes da Revolta dos Alfiates, este número TradTerm tem sete outro artigos que refletem sobre elementos históricos, sociais e políticos no Brasil e sua relação com a tradução. Paulo Edson Alves Filho analisa as traduções de José de Anchieta para o tupi, notando que os Jesuítas no Brasil aprenderam o tupi, uma forma de inculturação, para conseguir converter os silvestres ao catolicismo, sua aculturação para a religião dos colonizadores.

Marcia Amaral Peixoto Martins e Anna Olga Prudente de Oliveira fazem um estudo arqueológico sobre as traduções do segundo imperador de Brasil, Dom Pedro II, um erudito e estudioso que conhecia grande número de línguas e que preferia seus estudos e traduções aos assuntos de estado. Cristina Carneiro Rodrigues escreve sobre Brasiliana, revista importante na história do Brasil, concentrando-se na maneira na qual Américo Jacobina Lacombe, tradutor de Explorations of the Highlands of the Brazil with a full account of the gold and diamond mines, do explorador inglês, Richard Burton, apagou vários elementos do trabalho de tradução que Burton pratica dentro do texto.

O artigo de John Milton examina a importância de fatores econômicos na produção de traduções, enfatizando que o grande crescimento no número de traduções publicadas nos anos de 1930 e 1940 deve-se, em bom grau, á política econômica do governo Vargas. Este período é comparado com outro período de grande crescimento econômico no mercado livreiro, o dos anos de 1970, em plena ditadura militar.

Dois artigos analisam as traduções da obra de Jorge Amado fora do Brasil: Marly D’Amaro Blasques Tooge descreve o papel central do editor Alfred A. Knopf na publicação da obra de Amado e de Gilberto Freyre como parte da política de Boa Vizinhança dos Estados Unidos durante e depois da Segunda Grande Guerra. Jaroslaw Jezdzikowski examina as traduções dos livros de Amado na Polônia: durante a época comunista quando ele foi considerado como um tipo de escritor “oficial”. Porém, essa associação foi tão grande que nas últimas duas décadas, após a queda do comunismo,  sua obra perdeu sua popularidade na Polônia.

E, last but not least, Eliane Euzebio analisa a maneira em que o anti-comunismo do político carioca aparece na sua tradução de Il est moins cinq,  de Suzanne Labin. O artigo mostra a importância dos paratextos – as notas de rodapé e posfácios – que Lacerda utiliza para comunicar seu medo do comunismo vir a dominar o governo do Presidente João Goulart.

Finalmente, há sete resenhas, seis sobre obras teóricas e uma sobre uma tradução de Monteiro Lobato.

A influência da tradução na história brasileira é uma área quase virgem e intocada. Esperamos que este volume seja um começo dessa exploração.

 

John Milton

 

 

 

AS TRADUÇÕES DO JESUÍTA JOSÉ DE ANCHIETA PARA O TUPI NO BRASIL COLONIAL

Paulo Edson Alves Filho

 

Resumo: As traduções de textos religiosos e as obras de José de Anchieta (1534-1597) em tupi, destinadas à catequese, apresentavam um alto grau de inculturação e tendiam a mesclar termos católicos e indígenas. Basicamente, seus propósitos eram introduzir e difundir os preceitos do Cristianismo na cultura dos nativos do Brasil colonial. O objetivo deste artigo é demonstrar que Anchieta usou em suas traduções termos da cosmologia indígena para ilustrar conceitos cristãos sem, contudo, levar em conta seus verdadeiros significados originais. Para isso, inicialmente, analisaremos o cenário da colonização na América espanhola e portuguesa e as ações missionárias lideradas pela Companhia de Jesus. Também serão analisadas as características da língua tupi e trechos selecionados dos textos de José de Anchieta que contêm suas traduções para o tupi de importantes conceitos cristãos.

Unitermos: José de Anchieta, tradução jesuítica, Brasil colonial, tupi, indígenas do Brasil.

Abstract: The translations of religious texts and the works of José de Anchieta (1534-1597) into Tupi, which were designed for the catechesis of the Brazilian indians, have a high level of inculturation and tend to mix Catholic and Indian terms. Their basic aims were to introduce and spread the ideas of Christianity into the culture of the natives of colonial Brazil. The aim of this article is to show that Anchieta used in his translations terms from the Indian cosmology in order to illustrate Christian concepts, without, however, taking into account their real original meanings. Initially, Spanish and Portuguese colonization in the Americas and the missionary activities of the Company of Jesus are analyzed. The characteristics of the Tupi language are then described, and certain examples of the translations of Anchieta into Tupi which contain important Christian concepts are then analyzed.

Keywords: José de Anchieta, Jesuit translations, colonial Brazil, Tupi, Brazilian indians.

 

 

TRADUÇÕES NA AMÉRICA PORTUGUESA: AS BIBLIOTECAS DOS REVOLUCIONÁRIOS BRASILEIROS

Irene Hirsch

 

Resumo: A presença de traduções em dois movimentos de revolta que antecederam a Independência do Brasil será examinada neste artigo. A Inconfidência Mineira e a Inconfidência Baiana, dois dos principais eventos de contestação do período colonial brasileiro, contemporâneos das Revoluções Americana e Francesa, além de refletir a insatisfação com as condições locais e apontar para o colapso da antiga ordem, dialogaram com as ideias que circulavam internacionalmente. O escrutínio das bibliotecas do período é revelador dessa articulação.

Unitermos: Inconfidência mineira; Inconfidência baiana; bibliotecas particulares; Revolução norte-americana; Revolução francesa. 

Abstract: In this article I shall examine the presence of translations in two rebel movements which preceded the independence of Brazil. The Minas Conspiracy and the Bahia Conspiracy, two of the most important protest movements in the Brazilian colonial period, contemporary with the American and French Revolutions, in addition to reflecting the dissatisfaction with local conditions and pointing to the collapse of the old order, dialogued with ideas that circulated internationally. An examination of the libraries of the period shows the importance of the revolutionary ideas.

Keywords: Minas Conspiracy; Bahia Conspiracy; private libraries; American Revolution; French Revolution.

 

 

D. PEDRO II, MONARCA-TRADUTOR

Marcia Amaral Peixoto Martins

Anna Olga Prudente de Oliveira

 

Resumo: A proposta deste artigo é contribuir para a história da tradução no Brasil, investigando a atuação tradutória de D. Pedro II, Imperador do Brasil de 1831 a 1889. Buscou-se mapear sua produção nessa área, determinar seus objetivos ao traduzir, suas ideias acerca da tradução, as estratégias tradutórias adotadas e, na medida do possível, identificar relações ou topicalidades entre a seleção dos textos selecionados para tradução e situações, períodos ou ideais políticos.

Unitermos: reis tradutores; D. Pedro II; historiografia da tradução; tradução de poesia.

Abstract: The aim of this article is to contribute to the history of translation in Brazil by investigating the translations made by Dom Pedro II, Emperor of Brazil from 1831 to 1889. The research focused on his translations in an attempt to understand his reasons for translating, his views about translation, the translation strategies he resorted to and possible links between the selection of texts selected for translation and political situations, periods or ideals.

Keywords: royal translators; Emperor Pedro II of Brazil; historiography of translation; poetry translation.

 

 

TRADUÇÃO ANOTADA, AUTOR-TRADUTOR INVISÍVEL: RICHARD FRANCIS BURTON NA BRASILIANA

Cristina Carneiro Rodrigues

 

Resumo: Este trabalho tem como objetivo analisar a tradução da obra do viajante e tradutor Richard Francis Burton Explorations of the Highlands of the Brazil with a full account of the gold and diamond mines, assinada por Américo Jacobina Lacombe, buscando relacionar seu trabalho às metas editoriais da Coleção Brasiliana. Subsérie da Biblioteca Pedagógica Brasileira, da Companhia Editora Nacional, a Brasiliana foi concebida em sintonia com a política dos anos 30 e 40, de expandir a educação laica e de fazer com que os brasileiros conhecessem melhor a grandeza do Brasil. O exame vai enfocar as numerosas notas do tradutor, pois é em parte delas que Lacombe revela seu propósito didático de informar seus leitores sobre a história e a geografia do país. A análise focaliza, ainda, o apagamento do trabalho de tradução do português para o inglês que Burton pratica em sua obra.

Unitermos: Richard Francis Burton; Américo Jacobina Lacombe; Coleção Brasiliana; relato de viagem; notas de rodapé.

Abstract: The aim of this paper is to analyze the translation of the work by the translator-traveller Richard Francis Burton, Explorations of the Highlands of the Brazil, with a full account of the gold and diamond mines, made by Américo Jacobina Lacombe, trying to relate the work of the latter to the editorial goals of the Brasiliana Collection. As a subseries of the Biblioteca Pedagógica Brasileira [Brazilian Pedagogical Library] published by Companhia Editora Nacional, Brasiliana was conceived in agreement with the 1930s and 1940s policies to expand lay education and make it possible for Brazilians to get to better know the greatness of their country. The paper will focus on the numerous translator's notes, since many of them reveal Lacombe's didactic purpose of informing readers about Brazilian history and geography. The analysis also examines the effacement of  Burton’s translations from Portuguese into English  in his book.

Keywords: Richard Francis Burton; Américo Jacobina Lacombe; Brasiliana Collection; travel writing; footnotes.

 

 

A IMPORTÂNCIA DE FATORES ECONÔMICOS NA PUBLICAÇÃO DE TRADUÇÕES: UM EXEMPLO DO BRASIL

John Milton

 

Resumo: Esse artigo examina a importância de fatores econômicos na produção de obras traduzidas no Brasil, concentrando-se inicialmente no período que vai de 1930 a 1945, comparando esses anos com o período de 1945 a 1950, examinando a época do governo Juscelino Kubitschek, de 1956 a 1961, e depois os anos que se seguiram ao golpe militar de 1964. Conclui propondo que esses fatores podem ser incluídos no modelo de polissistemas de Itamar Even-Zohar e no conceito de normas, proposto por Gideon Toury.

Unitermos: fatores econômicos na tradução; governo Vargas; ditadura militar brasileira; barreiras alfandegárias; indústria livreira no Brasil.

Summary: This article examines the importance of economic factors in the production of translated works in Brazil, initially concentrating on the 1930 to 1945 period, then comparing the periods from 1945 to 1950, the period of the government of Juscelino Kubitschek, from 1956 to 1961, and then the years following the military coup of 1964. It concludes by proposing that such factors should be included in the polysystems model of Itamar Even-Zohar and in the concept of norms as put forward by Gideon Toury.

Keywords: economic factors in translation; Vargas government; Brazilian military dictatorship; customs barriers; book industry in Brasil.

 
 

PATRONO DA AMIZADE: AS TRADUÇÕES DE OBRAS BRASILEIRAS DA ALFRED A. KNOPF EM MEADOS DO SÉCULO XX

     Marly D’Amaro Blasques Tooge

 

Resumo: As décadas de 1940 e 1960 foram muito importantes para a história da literatura brasileira traduzida para o inglês. O número de traduções de obras brasileiras para o idioma inglês cresceu com o incentivo à atividade. No primeiro período, o mundo testemunhou as trágicas consequências da Segunda Guerra. Ocorreram então diversas negociações comerciais entre o Brasil e os Estados Unidos, mas Vargas só declarou seu apoio aos Estados Unidos em 1942. Projetos diplomáticos criados na época incluíam programas de tradução que, indiretamente, ajudaram a divulgar as ideias de “democracia racial” de Gilberto Freyre. Na década de 1960, a visibilidade trazida pela Revolução Cubana levou à criação de novos programas de tradução para a América Latina, que desta vez transformaram Jorge Amado em um bestseller americano. Este artigo apresenta o papel desempenhado pelo editor Alfred A. Knopf que agiu como um “embaixador informal” no processo acima descrito.

Unitermos: Tradução, política, diplomacia, Pan-americanismo, democracia racial.

Abstract: The 1940s and 1960s were important years for the history of Brazilian literature translated into English. The number of translations from Portuguese into English grew, and interest in translations from Brazil also increased. In the 1940s, the world witnessed the tragic consequences of the Second War. The United States and Brazil carried out business together, but Vargas only stated his support to the USA in 1942.  Diplomatic projects created at the time included translation programs for Latin American works, which indirectly led to the dissemination of Gilberto Freyre’s “racial democracy” ideas. In the 1960s, the visibility created by the Cuban Revolution led to new translation programs for Latin America, which resulted in Jorge Amado becoming a bestselling author in the US. This article shows the role of the publisher Alfred A. Knopf  as an informal “ambassador” in the process described above.

Keywords: Translation, politics, diplomacy, Pan-Americanism, racial democracy.

 

 

PILAR DO COMUNISMO OU ESCRITOR EXÓTICO? A RECEPÇÃO DOS ROMANCES DE JORGE AMADO NA POLÔNIA

Jaroslaw Jezdzikowski

 

Resumo: Este artigo analisa as traduções dos romances de Jorge Amado na Polônia. Amado teve uma carreira notável em Polônia, tornando-se o escritor brasileiro mais traduzido no país. Sua obra começou a ser publicada na Polônia em 1949 e, até o fim do período do realismo socialista, em meados dos anos cinquenta, a obra do escritor baiano foi editada e reeditada com regularidade. As traduções da obra amadiana deixaram de ser editadas em 1958, retornando ao sistema literário polonês em 1968. No período seguinte, até 1993, as traduções passam a surgir com menos regularidade. O artigo examina a posição da obra amadiana dentro do sistema literário polonês, o uso político na parte do regime comunista da obra de Amado, e as próprias traduções em si.

Unitermos: Jorge Amado na Polônia; sistema literário polonês; traduções na Polônia; traduções durante stalinismo; traduções de Jorge Amado.

Abstract: This article analyzes the translations of the novels of Jorge Amado made in Poland. Amado became very well-known in Poland and was the most-translated Brazilian author. His novels were first translated in 1949, and, until the end of the period of socialist realism, in the middle of the 1950s, translations of his works were frequently published and reprinted. Translations of his work stopped being published in 1958, but they once again became part of the literary system in 1968. And until 1993 they were published, but with less frequency than in the previous period. This article examines the position of the work of Amado in the Polish literary system, the political use made of his work, and the translations themselves.

Keywords: Jorge Amado in Poland; Polish literary system; translations in Poland; translations under Stalinism; translations of Jorge Amado.

 

 

TRADUÇÃO E ENGAJAMENTO POLÍTICO: O CASO DE CARLOS LACERDA

Eliane Euzebio

 

Resumo: Este artigo enfatiza a maneira pela qual Carlos Lacerda (1914-1977), um político brasileiro e tradutor, tenta manipular ideologicamente o leitor na sua tradução de Il est Moins Cinq, de Suzanne Labin. Inicialmente examina certos relacionamentos entre a tradução e a política e depois analisa o caso da tradução de Lacerda, que fez uma tradução com objetivos políticos, primeiro na sua escolha de uma obra que refletia a situação política brasileira, e segundo nos seus paratextos, como notas de rodapé e posfácios, que ajudaram a espalhar suas próprias opiniões políticas.

Unitermos: Tradução e política; Tradução com objetivos políticos; Paratextos; Elementos paratextuais.

Abstract: This article will emphasize the way in which Carlos Lacerda (1914-1977), a Brazilian politician and translator, attempted to ideologically manipulate the reader in his translation of Il est Moins Cinq, by Suzanne Labin. It will initially examine certain relations between translation and politics and will then analyse the translation of Lacerda, whose political aims can be seen both in the choice of a work to translate which would reflect the Brazilian situation and in his use of paratexts such as footnotes and postfaces to spread his own political views.

Keywords: Translation and Politics, Translation with Political Aims, Paratexts, Paratextual elements.