Pesquisa Contemporânea em Tradução e Interpretação - Programação.

Data do Evento: 
sex, 03/07/2015 - 09:00 - qua, 15/07/2015 - 14:00

O Centro Interdepartamental de Tradução e Terminologia da USP (CITRAT) e o Tradusp convidam a todos para a jornada: 

 

Pesquisa Contemporânea em Tradução e Interpretação -

Curso de Extensão - Programação

As palestras estão abertas a todos os interessados. As inscrições deverão ser efetuadas online e será cobrada a taxa de R$ 10,00 por palestra. Clique no link ao lado de cada título. 

 

Dias: 3 de julho: 9h, 11h e 14h30; 13 de julho: 14h; 14 de julho: 9h 11h, e  14h; 15 de julho: 9h, 11h, e 14h.

SALA 266 DO PREDIO DE LETRAS - AV. PROF. LUCIANO GUALBERTO 403 - CIDADE UNIVERSITARIA - SP

UNIVERSIDADE DE SAO PAULO

 

Palestra 1

3 de julho de 2015, 9h, Sala 266, Prédio de Letras

 

Ana Frankenberg Garcia, Universidade de Surrey

Corpora in Translation Practice  http://citrat.fflch.usp.br/node/287

The use of corpora is no longer restricted to a small community of researchers. Anyone with an internet connection is now able to access corpora to help them with everyday questions about language, including questions which neither more traditional resources like dictionaries and grammars nor search engines or even native speakers and our own colleagues can always help us with. Translators are among those who have much to gain from using corpora, as widely acknowledged in the literature. In this talk, I shall demonstrate how corpora can help translators in everyday translation practice, using examples from easily accessible corpora, including the Sketch Engine  (Kilgariff et al. 2004), a leading corpus tool with readily usable corpora for sixty languages, which also allows translators to compile their own DIY, specialized language corpora for terminology extraction. I will also discuss some of the challenges of training translators to use corpora and give examples of queries carried out by trainee translators.

Kilgarriff, A., P. Rychlý, P. Smrz and D. Tugwell 2004. ‘The Sketch Engine’. Proceedings of Euralex. Lorient, France, 105-116.

 

Palestra 2 (Language teaching)

3 de julho, 11h, Sala 266, Prédio de Letras

Ana Frankenberg Garcia, Universidade de Surrey

How language learners can benefit from corpora (or not) http://citrat.fflch.usp.br/node/289

In this talk I shall discuss how language learners can come into contact with computerized language corpora and the different ways in which corpora can be useful to them. I also wish to draw attention to the fact that, as with any kind of materials and activities developed under the aegis of a particular methodology and approach to learning, some of the direct uses of corpora in the classroom can be very effective, while others may not work at all.

 

Palestra 3

3 de julho, 14h, Sala 266, Prédio de Letras 

 

Dr. Sarbani Chaudhury, University of Kalyani West Bengal, India

Bombarding the Headquarters: Academic Tradaptations of Shakespeare in Twenty-first Century Bengal  http://citrat.fflch.usp.br/node/290

For the metropolitan English students and academics of India, Shakespeare has long been a curious blend of the venerable and the malleable but the Bard still means serious business in the suburbia with only occasional exceptions to the rule. One such exception has been in place since 2008 during Radix, the annual reunion of the Department of English, University of Kalyani (established in 1960), where the insidious seepage of high voltage Indi-pop, Bollywood and Hollywood dance numbers into the ‘culturally admissible’ recitals of classical dance, music, and Tagore songs and poems is reflected in the highpoint of the day’s festivities – the performance of a raunchy, risqué and impudently abridged version of a Shakespearean play under the able tutelage of a young faculty, Sandip Mandal,. This paper proposes to investigate the developing tenor and direction of these translations of Midsummer Night’s Dream, Merry Wives of Windsor, Tempest, Twelfth Night and Macbeth, between 2008 and 2012,  which cannibalize, digest and regurgitate a diametrically split Shakespeare for local, one-time consumption.  

Through the complete collectivization of the page-to-stage process – from script writing to the final performance – the Bard’s authorial hegemony is severely undermined and the end product becomes the collective property of the Department through collaborative enterprise at every level. 

The consistent deployment of confrontational bilingualism and theatricality fragments the act of ‘seamless transmission,’ challenging Pratt’s ‘contact zone’ proposition (6-7) by upholding rather than dissolving the binary between the source and the target text. Supposedly ‘high brow’ Shakespearean scenes remain unaltered while the populous ‘low’ scenes celebrate the twenty-first century Bengali suburban milieu, language and setting with a profusion of ‘Hinglish’ and ‘Benglish’ slang, innuendos and puns, and allusions to popular Bollywood and Hollywood films. The proportional relation between the ‘original’ and the ‘indigenised’ is increasingly skewed in favour of the latter till, in Macbeth: A Comedy, the Shakespearean passages (e.g., soliloquies) take on the parenthetical function of ‘annotating’ the translation. 

The politics of polarity also informs the masculinist project of forcibly occupying the ‘original’ where aggressive translation combined with adaptation (hence, tradaptation) effectively feminises Shakespeare by producing a new text with vestiges of both parents but dominant patrilineal traits. The discontinuous tradaptation effected through such bilingual and theatrical juxtaposition of original scenes and passages with indigenised counterparts is further assisted by definitive periodisation, which entails invoking the Elizabethan-Jacobean era as closely as possible in the ‘original’ scenes’ while locating the ‘indigenised’ portions in contemporary Bengali setting.

Assisted by video clippings and stills, my presentation proposes to establish that together, the attributes mentioned above, move beyond the postcolonial desire to re-write/ right the “asymmetrical relations of power” (Niranjana 2) endemic to much of colonial/ postcolonial translations by rejecting the “‘in-betweenness” of “Third Space” (Bhaba 38-39) in favour of bombarding the headquarter and reclaiming the centre by reconfiguring Shakespeare as a supplementary component of a hybrid, thoroughly indigenised product.

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

Palestra 4

13 de julho, 14h, Sala 266, Prédio de Letras

 

Sabine Braun, University of Surrey

Videoconference-based interpreting http://citrat.fflch.usp.br/node/291

Over the past two decades, videoconferencing has established itself as a tool for real-time communication between two or more sites. This has also led to alternative ways of delivering interpreting services. Several uses of videoconferencing can be distinguished in connection with interpreting. ‘Remote interpreting’ normally refers to the use of these technologies to gain access to an interpreter in another room, building, town or country, but similar methods of interpreting are required for interpreting in virtual meetings in which the participants themselves are distributed across different sites.

The development of videoconference-based interpreting has sparked heated debate among interpreters and interpreting scholars and has raised questions about feasibility, interpreting quality and working conditions, about the training and the skills required of the interpreter in such settings and about the clients’ perception of the interpreter (fuelled by adverts suggesting that video interpreters are available ‘at the push of a button’). At the same time, the debate has also been linked to the efficiency of service provision and the sustainability of the interpreting profession. Whilst uptake in traditional conference interpreting has been relatively slow, there is a growing demand for videoconference-based interpreting in legal, healthcare and business settings.

Against this backdrop, the first part of this presentation will provide an overview of current practice and trends in relation to videoconferencing and interpreting with specific reference to legal proceedings. It will distinguish different settings in which videoconferencing and interpreting ‘meet’, introduce relevant key terms and concepts, refer to relevant legislation and examine the motivations underlying these different settings. The second part of the presentation will report on an empirical study that has investigated the quality of videoconference-based ‘remote interpreting’ in police interviews to highlight some of the challenges and their potential linguistic and legal consequences.

 

Palestra 5

14 de julho, 9h, Sala 266, Prédio de Letras

Elena Davitti, University of Surrey

Towards a Multimodal Approach to Dialogue Interpreting http://citrat.fflch.usp.br/node/292

Dialogue interpreting (DI) is a key practice in the present era of globalization, migration and mobility, which challenges traditional interactional and communication practices in numerous real-life, high-stake scenarios, including healthcare and legal settings. Since the academic study of DI began towards the end of the 1990s, empirical research has highlighted the complex interactional dynamics of interpreter-mediated interaction and the interpreters’ double role as coordinators and intercultural mediators. To explore the complex dynamics of these triadic exchanges, DI research has mostly drawn on qualitative analysis of relevant verbal behaviour.

Over the last few decades, the availability of video equipment has enabled a more sophisticated and in-depth analysis of social practices and talk in interaction. Since then, multimodality, i.e. the study of situated (para)linguistic and embodied resources (i.e. verbal ones combined with gestures, gaze, facial expressions, head and body movements), has been conceptualised and implemented in different ways by a number of different disciplines and research communities. Multimodal approaches to communication have provided methods and frameworks for identifying meaning-making resources which encompass visual, aural, embodied and spatial aspects of interaction. For instance, micro-analytical studies of monolingual spoken interaction have gone a long way showing how participants draw on a rich range of multimodal resources to co-construct the interaction.

Despite the obvious relevance of multimodal resources in any type of interpreting activity, particularly face-to-face spoken and signed language interpreting where parties share a physical interactional space, very little research has attempted to investigate interpreter-mediated interaction more holistically, as a situated, embodied activity where multimodal resources play a central role in the co-construction of the communicative event. The call for reflection on such issues is further strengthened by the emergence of new modes of interpreting, such as video-mediated interpreting, where interacting via screens without sharing the same interactional space adds a further layer of complexity to multimodal dynamics of such events.

After providing an overview of those approaches which have accounted for multimodal resources in interpreter-mediated interaction, I will draw on authentic extracts from face-to-face interpreter-mediated interaction to exemplify and problematize the adoption of a multimodal approach to DI. In particular, I will argue that DI will only reveal itself in full through a novel, rigorous and interdisciplinary method designed to investigate the interplay between multiple levels of interaction, i.e. looking at verbal in conjunction with visual, aural, embodied and spatial meaning-making resources. Moving towards a paradigm shift in dialogue interpreting studies is key for the advancement of DI as a professional practice and as a field of enquiry. 

 

Palestra 6

14 de julho, 11h, Sala 266, Prédio de Letras

Gary Massey, Zurich University of Applied Sciences

Overview of the Capturing Translation Processes Project http://citrat.fflch.usp.br/node/293

Getting inside translators' minds

The main focus of this applied linguistics project is the question of what translators really do when they translate and how they do it.

The large-scale longitudinal study, Capturing Translation Processes, is seeking answers to the following questions:

What are the differences between the strategies and practices of beginner, novice, and professional translators?

How conscious are translators with different levels of experience of their strategies and practices?

Which translation strategies and practices, if any, are unique to particular language combinations?

How much of the translation process is actually devoted to revision and how does this change as translators gain experience?

How do translators with different levels of experience compensate target language competence when translating into their second language?

In what ways are translation processes in the workplace comparable to translation processes in a controlled setting?

 

Palestra 7 (Round table)

14 de julho, 14h, Sala 266, Prédio de Letras

A Formação de Intérpretes dentro de fora da Universidade no Brasil (I) http://citrat.fflch.usp.br/node/294

Denise Araujo (PUC-RJ)

Diferentes abordagens e resultados?

A partir do final da década de 1960, seguindo a tradição da Europa Ocidental e da América do Norte, foram se estabelecendo escolas de interpretação no Brasil. Os tipos de formação a partir desse período foram variados, até porque os próprios cursos foram se transformando: inicialmente de graduação, depois de extensão, seguindo para a pós-graduação lato sensu (caso da PUC-Rio). Outros foram fundados como cursos livres desde o início (Associação Alumni em São Paulo e Curso Brasillis no Rio de Janeiro) e outros criados já no modelo de especialização, como o da Universidade Estácio de Sá.

Dessa forma, além das diversas gerações presentes no mercado atual (2015), esses profissionais possuem formação acadêmica diferente. Dependendo do lugar do Brasil onde se resida não há cursos de formação de intérpretes de conferência disponíveis – ou, se existem, podem ter uma carga horária muito reduzida, alguns sendo chamados inclusive de “Iniciação à Interpretação de Conferência”.  Quantos cursos de formação de intérpretes de conferência existem? Qual a formação dos professores que dão aulas nesses cursos? O que esses cursos consideram importante para a formação de intérpretes? A partir dos meus questionamentos decidi realizar esta pesquisa qualitativa de cunho auto-etnográfico com os diversos cursos formadores de intérpretes no Brasil (a lista atualizada tem 19 cursos diferentes). O objetivo deste trabalho é pesquisar o cenário da formação de intérpretes no Brasil em cursos livres, de graduação e de pós-graduação.

 

Anelise Gondar (PUC-RJ) e Natalia Taddei

Estratégias e táticas de interpretação: ensino, teoria e prática

Partindo da premissa de que "interpreters are made", o estudo investiga quais técnicas são ensinadas e quais são realmente utilizadas no desempenho da atividade. A pergunta de pesquisa que informa o estudo é: Quais técnicas são de fato incorporadas pelo intérprete no desempenho da atividade profissional? A pesquisa é conduzida com estudantes de interpretação e intérpretes profissionais e visa ao aperfeiçoamento da apresentação e treinamento das técnicas dadas na pós-graduação bem como à descoberta de estratégias desenvolvidas por intérpretes profissionais que possam ser incorporadas à formação.

 

Christiano Sanches (PUC-RJ), 

A Formação de Intérpretes na Interface entre Universidade e Mercado

Nesta intervenção, pretendo refletir sobre o percurso de adaptação da Formação de Intérpretes da PUC-Rio, oferecida desde 1968, à evolução do mercado. Aspectos estruturais e de conteúdo serão levados em conta e um paralelo será traçado entre passado  e presente. A partir dessa observação de um caso, pretendo oferecer material para reflexões em torno da relevância e das características específicas de formações de intérpretes em ambiente universitário.

 

Branca Vianna (PUC-RJ)

A Atuação do Comitê de Formação e Atualização Profissional da AIIC no Brasil e na América do Sul

Em 2012, o AIIC Training and Professional Development Committee, comitê da AIIC responsável pela formação de intérpretes e professores de interpretação, começou a organizar cursos na América do Sul.

Neste trabalho falarei sobre a história do AIIC Training, sobre sua missão e atuação no mundo e sobre como a América do Sul, e principalmente o Brasil, se comparam com outras regiões em que o comitê trabalha.

Branca Vianna é intérprete de conferência formada em Letras com Especialização em Interpretação de Conferência pela PUC-Rio (1988), Mestre em Linguística pelo University College London (2003) e Mestre em Formação de Intérpretes de Conferência pela Université de Genève (2010).

Branca é professora do Curso de Formação de Intérpretes de Conferências da PUC-Rio e membro do AIIC Training and Professional Development Committee.

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

Palestra 8 (Round Table)

15 de julho, 9h, Sala 266 Prédio de Letras

A Formação de Intérpretes dentro de fora da Universidade no Brasil (II)  http://citrat.fflch.usp.br/node/295
 

Glória Sampaio (PUC-SP), 

O CURSO DA PUC-SP: POR UMA FORMAÇÃO INTEGRADA DO FUTURO INTÉRPRETE

Resumo: 

Nesta intervenção oferecermos uma visão panorâmica do curso de formação de intérprete em língua inglesa da PUC-SP, implementado em fevereiro de 1999. A apresentação abrangerá um breve relato da história do curso e um descritivo de seu projeto pedagógico, com destaque aos aspectos conceituais e pragmáticos que constituem o fio condutor para uma formação holística e integrada do futuro profissional. 

Glória Regina Loreto Sampaio é Bacharel em Letras – Língua e Literatura Inglesas, Mestre e Doutora em Comunicação e Semiótica, pela PUC-SP.  Seu trabalho docente e pesquisa estão voltados aos Estudos da Tradução e da Interpretação, com ênfase em teoria e prática da tradução e da interpretação, ensino-aprendizagem da tradução e da interpretação e suas interfaces, tradução literária, jornalística e audiovisual, tradução oral à prima vista, interpretação consecutiva e aspectos interculturais da tradução e da interpretação.  É responsável pelo Curso de Intérprete em Língua Inglesa da PUC-SP e vice-líder do Grupo de Pesquisas ESTI (Estudos da Tradução e da Interpretação), cadastrado no CNPq.

 

Jayme Costa Pinto

Presidente da Apic - Associação Profissional de Intérpretes de Conferência)

 

Luciana Ginezi (UNINOVE), 

 

Luciana Carvalho (PUC-SP)

CHEGOU A HORA: OS ALUNOS DO CURSO DE INTERPRETAÇÃO E O  MERCADO

Resumo:

Nesta intervenção traçaremos um breve panorama do mercado de interpretação em São Paulo e abordaremos: a relação dos alunos do curso de formação de intérprete em língua inglesa da PUCSP com sua futura inserção no mercado de trabalho, as atitudes pró-ativas por parte dos próprios alunos, as relações com ex-alunos, as experiências de interpretação pro bono, e as oportunidades de contato com profissionais atuantes.

Luciana Carvalho Fonseca é Bacharel em Direito, Mestre e Doutora em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês pela USP.  É professora doutora do Curso de Intérprete em Língua Inglesa da PUC-SP e membro do Grupo de Pesquisas ESTI (Estudos da Tradução e da Interpretação), cadastrado no CNPq. É sócia da Vox Intérpretes e atua como tradutora e intérprete de conferências, sobretudo na área jurídica. Autora do livro “Inglês Jurídico: Tradução e Terminologia” publicado em 2014.

 

Palestra 9

15 de julho,11h, Sala 266, Prédio de Letras

 

Reynaldo Pagura (PUC-SP)

Pesquisa em Interpretação: Interfaces e Possibilidades http://citrat.fflch.usp.br/node/296

Esta palestra tem como objetivo apresentar uma visão geral dos Estudos da Interpretação, a partir de uma visão histórica. Pretende, também, discutir as principais interfaces entre os Estudos da Interpretação e diversas outras áreas do conhecimento, deixando claro que as possibilidades desses estudos nem sempre apresentam as mesmas interfaces dos Estudos da Tradução.

Reynaldo Pagura é professor do Departamento de Inglês da PUCSP, onde atua tanto na formação de intérpretes quanto de tradutores. É doutor em Letras pela USP e mestre em Linguística Aplicada pela Brigham Young University, nos Estados Unidos.  

 

Palestra 10 (Round Table)

15 de julho, 14h, Sala 266, Prédio de Letras

 

A Linha Quatro: Estudos da Interpretação? http://citrat.fflch.usp.br/node/297

 

Carla Nejm (USP)

Interpretação Simultânea: a Linguística de Corpus na Preparação do Intérprete

Considerando a pouca quantidade de dados e o tempo limitado para a preparação do intérprete de conferência, o objetivo desta pesquisa é propor uma metodologia para a elaboração de glossários bilíngues, inglês/português, voltados às necessidades de preparação deste profissional, no modo de Interpretação Simultânea, utilizando as ferramentas da Linguística de Corpus. Apesar do crescente número de publicações sobre Estudos de Interpretação, ainda não existe uma extensa bibliografia, em português, que apresente material de suporte para a preparação do intérprete. O modelo de glossário proposto tem como objetivo incluir não apenas termos técnicos e acrônimos, mas também colocados de termos, nomes próprios e paráfrases, e até mesmo pronúncia, quando relevante, pois o acesso a tais informações não somente permite que a Interpretação siga as normas da convencionalidade da língua de chegada, como também poupa o intérprete de depender tanto de um conhecimento intuitivo da língua, reduzindo, dessa forma, a carga cognitiva. Devido ao pouco tempo para a preparação do intérprete, é impraticável fazer uma leitura detalhada de grande quantidade de material de estudo. A Linguística de Corpus, por permitir o estudo de grandes coletâneas de textos e possibilitar a análise dos padrões de linguagem em textos naturais, foi utilizada na elaboração dos glossários. A metodologia descreve a elaboração de glossários para quatro trabalhos com tópicos distintos, sendo que os corpora coletados têm como base as informações enviadas pelo contratante do serviço, biografias de palestrantes, resumos de palestras e outros documentos relacionados aos eventos. Os corpora foram explorados com o programa WordSmith Tools, e, ao final, os glossários foram avaliados em relação a sua eficácia para o evento de Interpretação estudado, tendo como base a transcrição das palestras proferidas.

 

Luciana Ginezi (USP & UNINOVE)

 

John Milton (USP)

As linhas de pesquisa da Tradusp

Apresento as três linhas de pesquisa já existentes no Programa de Mestrado e Doutorado em Estudos da Tradução e as possibilidades de abrir uma nova linha de pesquisa.