Palestras: "A obscenidade shakespeariana aos olhos de tradutores brasileiros" e "O escritor no papel de tradutor"

Data do Evento: 
sex, 07/08/2015 - 10:00 - 12:00
O CITRAT (Centro de Tradução e Terminologia) e o Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução convidam para as seguintes palestras da Profa. Dra. Elizabeth Ramos, UFBa, 10h e 11, 7 de agosto, Sala 261, Prédio de Letras, Av Luciano Gualberto 403, Cidade Universitária, São Paulo
 
 
10h: A obscenidade shakespeariana aos olhos de tradutores brasileiros
Elizabeth Ramos
Universidade Federal da Bahia
 
A palestra apresenta e contrasta algumas soluções para a tradução interlingual, em português do Brasil, de uma parcela da linguagem obscena ou chula utilizada por William Shakespeare em duas de suas comédias As alegres comadres (1597-8) e Muito barulho por nada (1598-9), traduzidas por Carlos Alberto Nunes (1954), F. Carlos de Almeida Cunha e Oscar Mendes (1969), Millor Fernandes (1995), Beatriz Viegas (2008) e Bárbara Heliodora (2009), tradutores oriundos de histórias de vida diferentes e com visões de mundo distintas, que certamente deixaram as marcas de seu tempo e lugar de fala, nas suas escolhas tradutórias das peças aqui consideradas.
 
v v v
 
11h: O escritor no papel de tradutor
Elizabeth Ramos
 
O renomado romancista brasileiro, Graciliano Ramos, também traduziu. Entre os dois trabalhos de que temos notícia, publicou, em português, A peste, do francês Albert Camus, e Memórias de um negro, do norte-americano Booker T. Washington.
Nesta apresentação, abordarei a tradução das memórias de Washington, publicadas no Brasil, em 1940, interessando-me observar, em particular, as interferências do estilo do escritor sobre o texto traduzido.Universidade Federal da Bahia