As expressões idiomáticas relacionadas ao tema da morte

"Sob o nome genérico de glossário, nesta página são apresentados trabalhos que reproduzem termos de uma língua de especialidade ou que explorem um campo lexical da língua geral."

Mini-Glossário 7

Alessandra Paola Caramori[1]  e  Valdemir Monteiro Bento[2]

Resumo: I modi di dire sono un punto dell'universo del linguaggio figurato molto ricco e, attraverso essi, possiamo identificare le specificità di ogni lingua e le difficoltà di traduzione. Le locuzioni legati al tema della morte sono state quelle che hanno messo in dubbio il modo in cui lavoravamo nel nostro dizionario bilingue dei modi di dire (portoghese - italiano, italiano - portoghese) presentandoci il problema delle corrispondenze tra le due lingue e dei rimandi, ma dall'altra parte, ci hanno aperto una nuova strada per l'organizzazione del vocabolario.

As reflexões sobre as expressões idiomáticas relacionadas ao tema da morte são fruto do trabalho de elaboração do dicionário bilíngüe (italiano-português) de expressões idiomáticas. Justifica-se a realização de tal dicionário o fato de que, embora existam diversos dicionários de expressões idiomáticas em português e também em italiano, não há obras bilíngües em língua portuguesa e italiana nessa área. É importante, porém, estabelecer critérios precisos de organização da estrutura desse dicionário e verificar se este satisfaz às necessidades dos usuários.

As expressões idiomáticas são, segundo Casares[3], aquelas "combinações estáveis de dois ou mais termos funcionando como elemento oracional e cujo sentido unitário não se justifica como simples soma do significado normal dos componentes". Não incluímos no nosso trabalho de pesquisa os provérbios, os ditos e as lexias compostas.

O corpus de nosso trabalho é constituído pelo Dicionário de expressões idiomáticas metafóricas italiano - português em que estamos trabalhando desde 1993. De 1990a 1992 tínhamos elaborado, junto com outras duas pesquisadoras, como trabalho final para o curso de especialização em tradução na Universidade de São Paulo, o Dicionário de expressões idiomáticas metafóricas português - italiano. O corpus das expressões para esse trabalho já tinha sido estabelecido por Martha Steinberg e Sidney Camargo na sua obra Dicionário de Espressões Idiomáticas Metafóricas Português - Inglês. A partir do dicionário de expressões português - italiano foi feita a inversão dos verbetes, e começou-se uma nova etapa de pesquisa. Foi aí, então, que, em contato com dicionários de expressões em língua italiana como os do Lapucci[4], Quartu[5] e Turrini[6], o nosso dicionário inchou. Dos 1300 verbetes que constavam no dicionário de expressões português-italiano, chegamos, em meados de 1998, a 2300 expressões no dicionário italiano- português.

Nesta primeira versão de 1998, o que mais nos chamou a atenção foi o tamanho de certos verbetes, onde aparecia uma grande quantidade de correspondentes em português e de remissivas. Logo nos demos conta de que esses verbetes destoavam da maioria dos outros.  Eis alguns exemplos:

ACQUA bere, non sapere che (L) <> Andar às CEGAS/ Não saber a QUANTAS anda/ Não saber que BARCO tomar: Com a nova crise financeira, estamos todos andando às cegas. Vide: Non sapere a che SANTO votarsi/ Non sapere che SANTO baciare/ Non sapere che PESCI prendere/ Non sapere dove battere la TESTA/ Andare a TENTONI/ Non trovare VIA d’uscita/ Brancolare nel BUIO.###

ANNO mai, rimandare all’ (L) <> Ficar ou mandar para as CALENDAS gregas/ Deixar para o DIA de São Nunca/ Quando a GALINHA criar dente: O presidente mandou o pagamento da dívida do país para as calendas gregas. Vide: Rimandare q.c. alle CALENDE greche/ Rimandare al GIORNO del giudizio/ Fare una cosa il DÌ di San Bindo/ Quando le QUERCE faranno limoni/ Quando canteranno GALLI di gesso/ Quando verrà PASQUA per il venticinque aprile.

MANI in mano, stare con le  (Z) <> Estar ou ficar de BARRIGA pro ar/ Estar ou ficar de PAPO pro ar/ Coçar o SACO/ Ficar ou estar à toa na VIDA: Enquanto toda família trabalha como louca, Carlos passa os dias de barriga pro ar. Vide: Grattarsi la PANCIA/ Stare con le MANI alla cintola/ Stare a PANCIA all’aria/ Far laPENTOLA a due manici/ Girarsi i POLLICI/ Avere la SPALLA rotonda.

CASINO, fare o combinare un (Z) <> Fazer ARTE/ Aprontar UMA das suas/ Fazer o DIABO a quatro/ Pintar o SETE/ Pintar o CANECO/ Armar um BANZÉ/ Armar um FUZUÊ: As crianças estão sempre fazendo arte quando estão juntas. Vide: Combinare un PASTICCIO/ Combinarne di tutti i COLORI/ Combinarne QUALCUNA delle sue/ Combinare un GUAIO/ Fare o combinare un CASINO/ Fare il DIAVOLO a quattro/ Fare un QUARANTOTTO.

CIELI, andare ai sette (L)<> Estar nas NUVENS/ Não caber em SI/ Transbordar de ALEGRIA: Maria está nas nuvens com o presente que ganhou. Vide: Toccare il CIELO con un dito/ Sentire al terzo o al settimo CIELO/Non stare nella PELLE/ Non gli tocca il CULO la camicia/ Non stare o non entrare nei propri PANNI/ Andare inBRODO di giuggiole.

GIORNI, non avere tutti i suoi (L) <> Não BATER bem/ Não REGULAR bem/ Não bater bem da CABEÇA/ Não regular bem da BOLA/ Bater os PINOS/ Ter um PARAFUSO a menos / Ter uma TELHA a menos/ Ter um PARAFUSO frouxo ou solto/ Sofrer da CACHOLA: Não leve o João muito a sério, ele não bate bem. Vide: Essere un po' SVITATO/ Mancare d'una ROTELLA/ Mancare qualche o un VENERDÌ/ Essere TOCCO/ Avere battuto la TESTA da piccino/ Esser caduto dal SEGGIOLONE/ Averci scritto SALE e tabacchi (sulla fronte)/ Non avere le ROTELLE a posto.

Percebemos que estas expressões poderiam ser agrupadas por temas que constariam no final do dicionário, facilitando a consulta e ampliando a compreensão do usuário. As expressões que constam no verbete ACQUA bere, non sapere che poderiam ser todas elencadas sob o conceito de indecisão; aquelas do Anno mai, rimandare all' sob o conceito de adiar; aquelas de MANI in mano, stare con le sob o conceito de ociosidade; aquelas de CASINO, fare o combinare un sob o conceito de confusão; aquelas de CIELI, andare ai sette sob o conceito de felicidade e aquelas de GIORNI, non avere tutti i sob o conceito de estupidez..

De proporções exageradas eram os verbetes referentes ao tema da morte:

ADDIO alle cose del mondo, dire (Z) <>  Dizer ADEUS ao mundo/ Entregar a ALMA a Deus / APAGAR/ / Ir para o BELELÉU/ / Bater a(s) BOTA(S) / Ir para a CIDADE dos pés juntos/ Espichar ou esticar a CANELA/ Ir comer CAPIM pela raiz/ Largar a CASCA/ Tomar o CHÁ da meia noite/ Dar o COURO às varas/ Descer à COVA ou à TERRA ou ao TÚMULO/ DESCANSAR/ DESENCARNAR/ Passar DESTA para melhor/ EMPACOTAR/ Fechar os OLHOS/ Vestir o PALETÓ ou PIJAMA de madeira/ PIFAR/ Virar PRESUNTO/ Ir para o ALÉM ou para o outro MUNDO: Infelizmente a semana passada, minha tia Maria, por um ataque de úlcera fulminante, foi desta para melhor. Vide: Tirare o lasciarci o rimetterci le CUOIA/ Tirare le CAlZE o il calzino/ Andare a ingrassare i CAVOLI/ Vedere l’ERBA dalla parte delle radici/ Passare a vita MIGLIORE/ Andare al MONDO di là/ Andare all’altro MONDO/ Chiudere gli OCCHI/ Andare a ingrassare i PETRONCIANI/ Dare l'ultimo o stremo sospiro/ Essere SOTTOTERRA/ Salire alleSTELLE/ Arrivare l'ultima o la sua ORA/ Andare alleBALLODOLE/ DireADDIO alle cose del mondo/ Rendere l'ANIMA a Dio/ Lasciarci o rimetterci laBUCCIA/ CREPARE/ SPEGNERSI..

Só que quando elencamos essas expressões, acrescidas de suas definições, atributos e nível de linguagem (por ex.: pop. gíria) que constavam de suas fontes, percebemos aí uma riqueza de elementos passíveis de classificação: Seguem então as expressões, adicionadas de suas variantes, explicações e antecedidas de um glossário das fontes:

(Au)Aurélio[7] (F) Forconi[8] (L)- Lapucci[9] (ON) Neves[10]

(Q) - Quartu[11]

(R) - Radicchi[12] (T) - Turrini[13] (Z)- Zingarelli[14]

 

1) Lasciarsi la PELLE/ Lasciarsi o rimettersi la BUCCIA/ le PENNE/ le PIUME/ le CUOIA (Rimetterci la vita; subire un danno molto grave) (T)/ Tirare le CUOIA (fam) (morire)

1) Largar a CASCA. (morrer) (ON) / Dar à CASCA (morrer) (Au) (pop. gíria)/ Dar o COURO às varas (morrer) (Au) (pop. gíria)

2) Tirare il CALZINO/ le CALZE (Z). (morire)/ Tirare il CALZINO o le CALZE (familiare) ('calze' per 'gambe' -con riferimento agli stiramenti dei moribondi) (L)

2) Esticar ou espichar as CANELAS (pop. gíria) (morrer) (Au)

3) Andare a ingrassare i CAVOLI/ i PETRONCIANI (= petonciani = melanzane) (morire) (T)/ Andare tra i CAVOLI (ritirarsi dal mondo). / Andar a far terra per CECI (nel senso di rendere fertile il luogo della sepoltura) (L)

3)

4) Verdere l'ERBA dalla parte delle radici (essere morto e sepellito) (T).

4) Ir comer CAPIM (morrer) (ON)/ Ir comer CAPIM pela raiz (Au) (pop. gíria) (morrer)

5) Passare a miglior VITA (morire) (T).

5) Passar DESTA para a melhor (morrer) (ON).

6) Andare al MONDO di là (?)/ Andare all'altro MONDO/ al CREATORE/ all'ALDILÀ (morire) (T).

6) Ir para o ALÉM/ para o outro MUNDO./ PASSAPORTE para o outro mundo (morrer) (ON).

7) Chiudere gli OCCHI (morire, fingere di non vedere) (T).

7)Fechar os OLHOS (Fingir que não se vê; desculpar travessuras ou asneiras; morrer; adormecer. / descanso eterno).(ON).

8) Dare l'ultimo o estremo SOSPIRO. (morrer) (Z).

8) Dar o último SUSPIRO.

9) Essere l'ORA di qc. (morire, essere l'ora della morte, il momento di morrire) (Q).

9) Chegar a (sua) HORA ( morrer) (ON)

10) ORA estrema/ Ultima ORA ( il momento della morte, o il periodo immediatamente precedente; anche la morte in sé) (Q)/ Essere all'ORA estrema (L).

10) Chegar às ÚLTIMAS (chegar ao ponto extremo; chegar à miséria; chegar a vias de fato; estar prestes a morrer) / Estar a dar as ÚLTIMAS (estar a morrer ou não ter já muito tempo de vida) (ON)/ Estar nas ÚLTIMAS (ON).

11) Avere le ORE contate/ Avere i GIORNI contati ( essere sul punto di morire; durare ancora per poco) (T).

11) Ter os DIAS contados (estar prestes a morrer; diz-se de algo que já não dura muito) (ON).

12) Essere alle 23 ORE (e tre quarti)/ alle 11 di SERA (prossimo a morire) (Z)./ Essere alle VENTITRÉ e tre quarti (essere in punto di morte; anche sul finire d'una cosa. Il giorno infatti, in quel punto, sta per morire) (L)

12) Estar por um FIO (estar quase; prestes a morrer/ Estar PRONTO (estar muito doente; prestes a morrer (ON)/ Estar aos 43 minutos do segundo tempo (???).

13) Andare alleBALLODOLE ( La località chiamata le Ballodole, poco lontano da Firenze, ospitava un tempo il cimitero) (Q)/ Andare agli ALBERI pizzuti (Alberi pizzuti, i cipressi; - andare al cimitero, ossia morire [esperssione di ambito romanesco]).<> (F).

13) Ir para o BELELÉU (?)

14) Dire ADDIO alle cose del mondo (rinunziarvi) (Z)/.

14) Dizer ADEUS ao mundo (morrer) (ON)

15) Rendere l'ANIMA (a Dio) (morire)/ Andar dal CREATORE (morire) (N-Z)

15)Entregar a ALMA a Deus ou ao Criador/ Entregar a ALMA ao Diabo.

16) Essere SOTTOTERRA (euf.) (essere morto) (Z) / Andare SOTTOTERRA (euf.) (essere morto) (Z)

16) Descer à TERRA/ à COVA/ ao TÚMULO (morrer) (Au)

17) Andar  via col CAPPOTTO di legno (la bara) (L)

17) Vestir o PALETÓ ou PIJAMA de madeira (morrer) (Au) (pop. gíria)/ Abotoar o PALETÓ (PIJAMA) (morrer) (ON)/ Fechar o PALETÓ (morrer) (Au) (pop. gíria)

 

18) Juntar os PÉS (morre) (ON) /Ir para a CIDADE dos pés juntos (morrer) (pop. gíria) (Au)/ Bater as BOTAS (Au) (pop.gíria)/

 

19) Tomar o CHÁ da meia-noite (pal)

20) Restarci SECCO o STECCHITO (pop) (morire improvvisamente, in genere per un attacco cardiaco o simili. Anche morire sul colpo di un incidente o altro. Allude al rigor mortis, la rigidità cadaverica che dopo alcune ore dal decesso fissa le membra di un corpo nella posizione in cui si trovavano al momento della morte) (Q)

20) Virar PRESUNTO (morrer) (pop. gíria) (Au)

 

21) EMPACOTAR (morrer) (pop. gíria) (Au)

 

22 ) Estar com os PÉS para a cova (estar muito velho ou muito doente; estar moribundo) (ON)/ Estar com o PÉ na cova

 

23) DESENCARNAR (morrer) (pop. gíria) (Au)

24) CREPARE (spec. spreg.) (morire) (Z) / SCHIATTARE

24) PIFAR (morrer) (pop. gíria) (Au)

25) SPEGNERSI (morire) (Z)

25) EXPIRAR

26) Essere più di LÀ che di Qua (esser vicini a morire) (L)

26) Estar mais pra LÁ do que pra cá (diz-se de alguém que está perto de morrer) (ON)

 

27) Estar fazendo HORA extra

 Temporalidade

Partimos para a análise a partir da categoria semântica temporalidade, estabelecendo o critério anterioridade (pré-morte) e posterioridade (pós-morte). Fixamos uma variação de –5 a -1 para graus de distância entre a pré –morte e a morte (quanto mais distante anteriormente ao momento da morte mais baixo o valor); grau 0 para o momento da morte; e de 1 a 5 para o grau de distância entre a morte e o pós-morte (quanto mais distante posteriormente ao momento da morte mais alto o valor). Chegamos então ao seguinte quadro:


Anterioridade

Momento da morte

Posterioridade

 

 Estar fazendo HORA extra(-5)

Essere l'ORA di qc. (0)

Chegar a (sua) HORA

 

Juntar os PÉS (1)

Avere le ORE o i GIORNI contati(-4)

Ter os DIAS contados

CREPARE (0)

PIFAR

 

Bater as BOTAS (1)

Essere piú di LÁ che di qua(-3)

Estar mais pra LÁ do que pra cá

SPEGNERSI (0)

EXPIRAR

Tirare il CALZINO o le CALZE (1)

Esticar ou espichar as CANELAS

 

Estar com o PÉ na cova (-3)

 

 

Passar a MIGLIOR vita (2)

Passar DESTA para melhor

Essere all' ORA estrema (-2)

Estar nas ÚLTIMAS

 

 

Andare all'ALDILÀ (2)

Ir para o ALÉM

Essere alle VENTITRÉ e tre quarti (-2)

Estar por um FIO

 

 

DESENCARNAR (2)

 

Chiudere gli OCCHI (-1)

Fechar os OLHOS

 

 

Rendere L'ANIMA a Dio (2)

Entregar a ALMA a Deus

Dare l'ultimo o estremo SOSPIRO (-1)

Dar o último SUSPIRO

 

 

Andare alle BALLODDOLE (3)

Ir para o BELELÉU

 

Tomar o CHÁ da meia-noite (-1)

 

 

 

Ir para a CIDADE dos pés juntos (3)

 

 

 

 

 

EMPACOTAR (3)

 

 

 

 

Lasciarci la BUCCIA (4)

Largar a CASCA

 

 

 

 

Tirare le CUOIA (4)

Dar o COURO às varas

 

 

 

 

Essere SOTTOTERRA (4)

Descer à TERRA/ à COVA/ ao TÚMULO

 

 

 

 

Andar via col CAPPOTTO di legno (4)

Vestir o PALETÓ ou PIJAMA de madeira

 

 

 

 

Restarci SECCO(4)

Virar PRESUNTO

 

 

 

 

 

Andare a ingrassare i CAVOLI/ Andar a far TERRA per i ceci (5)

 

 

 

 

 

Vedere l'ERBA dalla parte delle radici (5)

Ir comer CAPIM (pela raiz)


COLOQUIAL VS FORMAL

Já que o princípio fundamental da estrutura lingüística é o da oposição, outra hipótese de análise é a do nível de linguagem, variável de acordo com a classe social do falante e da situação lingüística. Seria muito fácil estabelecer que expressões tais como andare a ingrassare i CAVOLI, o , vedere l' ERBA  dalla parte delle radici e CREPARE são coloquiais ou informais. Já as expressões rendere l' ANIMA a Dio e SPEGNERSI são claramente formais ou cultas. Já outras, tais como essere SOTTOTERRA seriam um tanto ambíguas quanto ao nível de registro.

Chegamos então à conclusão de que seria impossível manter o dicionário na sua antiga organização e se fazia necessária uma reestruturação para a criação das listas temáticas. Foi, a partir daí, colocada em cheque tanto a microestrutura (já que o critério das correspondências e das remissivas precisava ser revisto) quanto a macroestrutura do nosso dicionário. A maneira como organiza-se o material das obras lexicográficas condiciona a sua macroestrutura. O dicionário semasiológico, conforme afirma Haensch[15], organiza-se por significantes, já o dicionário onomasiológico, por conceitos. Normalmente os dicionários semasiológicos apresentam seu material em ordem alfabética, enquanto que a estruturação dos dicionários onomasiológicos segue critérios variados. A onomasiologia é, segundo Mattoso Camara[16], "um método de pesquisa que consiste em reunir as expressões de que dispõe uma língua para traduzir determinada noção. Parte-se assim dos significados capazes de ter expressão lingüística para se chegar às formas lingüísticas correspondentes." O nosso dicionário que era todo organizado semasiologicamente, em ordem alfabética, passou a ter também uma parte (as listas temáticas) organizada onomasiologicamente, ou seja, partindo-se das idéias para chegar-se às expressões. Uma nova perspectiva abriu-se, basta agora trabalhar duro para concluir a obra.

 

BIBLIOGRAFIA GERAL

AMENDOLA, João. Dicionário Italiano-Português. São Paulo Hemus, 1976.

ARTHEBER, Augusto. Dizionario comparato di proverbi e modi proverbiali. Milano, Hoepli, 1972.

BARBOSA, M.A. "Da Microestrutura dos vocabulários técnico-científicos" in Anais do VI Encontro Nacional da ANPOLL, 1989.

CAMARA Jr, J. Mattoso. Dicionário de lingüística e gramática. Petrópolis. Editora Vozes, 1981.

CAMARGO, Sideny & Martha Steinberg. Dicionário de expressões idiomáticas metafóricas português-inglês. São Paulo, EUP, 1980.

CASARES, J. Introducción a la Lexicografia moderna. Madrid, 1977.

CASCUDO, Luís de Câmara. Locuções Tradicionais no Brasil. Rio de Janeiro. Funarte, 1977.

DEVOTO, Giacomo & Gian Carlo Oli. Dizionario della lingua italiana. Firenze, Le Monnier, 1982.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, s.d.

FORCONI, Augusta. La Mala Lingua. Dizionario dello “slang” italiano. I termini e le espressioni gergali, popolari, colloquiali. Milano, Sugarco Edizioni, 1988.

HAENSCH, G et altri. La Lexicografía. De la lingüística teórica a la lexicografía práctica. Madrid, Editorial Gredos, 1982.

HERRERA, Owaldo. A Grande Análise Dos Provébios. São Paulo, A Busca, 1983.

LAPUCCI, Carlo. Dizionario dei modi di dire della lingua italiana. Milano, Garzanti, aVallardi, 1993.

MARTIGNON, Roberta. Dizionario pratico della lingua italiana. Milano, Mondadori, 1987.

MEA, Giuseppe. Dicionário de italiano-português. Porto, Porto Editora, 1980.

MICHAELIS. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. São Paulo. Melhoramentos, 1998.

NASCENTES, ANTENOR. Tesouro da Fraseolgia Brasileira. Rio de Janeiro, Nova Fronteira,1986.

NATALE, Francesco Di et Zacchei, Nadia. In bocca al lupo! Perugia, Guerra, 1997.

NEVES. Orlando. Dicionário Popular de Frases Feitas. Porto, Lello & Irmão, 1991.

ORTÍZ ALVAREZ, María Luisa. As expressões idiomáticas dentro da obra lexicográfica in Revista Brasileira de Lingüística, vol. 9, nº 1, 1997h

PRATA, Mário. Mas será o Benedito? Dicionário de provérbios, expressões e ditos populares. São Paulo, Globo, 1996.

PROVENÇAL, Dino. Perché si dice così. Milano, Hoepli,1966.

QUARTU, B.M. Dizionario dei Modi di Dire della Lingua Italiana. Milano, Biblioteca Universale Rizzoli, 1993.

RADICCHI, Sandra. In Italia: modi di dire ed espressioni idiomatiche. Roma, Bonacci,1985.

RIBEIRO, João. Frases feitas. Rio de Janeiro. Livraria FranciscoAlves, 1960

SILVA, Euclides Carneiro da. Dicionário de locuções da língua portuguesa. Rio de Janeiro, loch Editore, 1975.

SILVA, Euclides Carneiro da. Dicionário da gíria brasileira. Rio de Janeiro, Bloch Editores, 1973.

SIMÕES, Guilherme Augusto. Dicionário de expressões populares portuguesas, Lisboa, Perspectias & Realidade. s.d.

SPINELLI, V. et CASASANTA, M. Dizionario completo italiano-portghese(brasiliano) e portoghese (brasiliano) - italiano, Milano, Ulrico Hoepli, 1980.

SPITZER S.J. , Carlos Dicionário Analógico da Língua Portuguêsa. Porto Alegre, Globo, 1953.

TAGNIN. Stella O.. Expressões idiomáticas e convencionais. São Paulo, Ática, 1989.

TURRINI, Giovanna e altri. Capire L'Antifona. Bologna, Zanichelli, 1995.

VIOTTI, Manuel. Novo dicionário da gíria brasileira. São Paulo. Ind. Gráfica Bentivegna, 1956.

ZINGARELLI, Nicola. Vocabolario della lingua italiana. Bologna, Zanichelli, 1999.



[1]Mestranda da área de língua e literatura italiana da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

[2]Mestre na área de língua e literatura italiana da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

[3]CASARES, J. Introducción a la Lexicografia moderna. Madrid, 1977.

[4]LAPUCCI, Carlo. Dizionario dei modi di dire della lingua italiana. Firenze, Vallardi, 1979.

[5]QUARTU, B.M. Dizionario dei modi di dire della lingua italiana. Milano, Biblioteca Universale Rizzoli, 1993.

[6]TURRINI, Giovanna e altri. Capire L'Antifona. Bologna, Zanichilli, 1995

[7]FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, s.d.

[8]FORCONI, Augusta. La Mala Lingua. Dizionario dello “slang” italiano. I termini e le espressioni gergali, popolari, colloquiali. Milano, Sugarco Edizioni, 1988.

[9]LAPUCCI, Carlo.op. cit..

[10]NEVES, Orlando Dicionário popular de frases feitas. Porto, Lello & Irmão, 1991.

[11]QUARTU, B.M. op. cit..

 [12]RADICCHI, Sandra. In Italia: modi di dire ed espressioni idiomatiche. Roma, Bonacci,1985.

[13]TURRINI, Giovanna e altri. op. cit..

 [14]ZINGARELLI, Nicola. Vocabolario della lingua italiana. Bologna, Zenichelli, l983.

[15]HAENSCH, G et altri. La Lexicografía. De la lingüística teórica a la lexicografía práctica. Madrid, Editorial Gredos, 1982, p. 165.

 [16]CAMARA Jr, J. Mattoso. Dicionário de lingüística e gramática. Petrópolis. Editora Vozes, 1981, p. 182