O conhecimento do outro por meio da imagem e da tradução

A palestra analisa a formação de identidades culturais a partir da tradução das histórias em quadrinhos. Investigamos como se dá o processo de conhecimento do outro, ou seja, do estrangeiro, no original e na tradução, a partir da relação entre a imagem e o texto presentes na série de quadrinhos francesa Le photographe. A obra, que mescla texto, desenhos e fotografias, foi composta por três autores, a saber: Emmanuel Guibert, quadrinista responsável pelos desenhos, Didier Lefèvre, fotojornalista autor das fotografias, e Frédéric Lemercier, editor encarregado da diagramação das páginas. Dividida em três volumes, a série resulta do trabalho desenvolvido por Lefèvre junto à organização Médicos Sem Fronteiras, que o contratara para cobrir uma missão da instituição no Afeganistão em 1987, durante a guerra desse país contra a U.R.S.S. Publicados na França entre 2003 e 2006 e no Brasil de 2006 a 2010, respectivamente, Le photographe e O fotógrafo constituem um rico material para análise graças à simultaneidade de discursos: o documental e o quadrinístico, tendo em vista a representação da cultura do outro, isto é, do povo afegão, em dois contextos socioculturais distintos: o francês, no original, e o brasileiro, na tradução. Apresentamos algumas características acerca da composição da obra, em que o uso das fotografias em conjunção com os desenhos revela o desenvolvimento de um estilo inovador no contexto da linguagem dos quadrinhos. Isso fica evidente quando analisamos os trabalhos de teóricos que já investigaram a constituição da narrativa quadrinística, como os de Eco ([1965]2008) e McCloud (2005), trabalhos nos quais se destaca a questão da relação de continuidade entre os quadros e as páginas. Nosso trabalho, contudo, expande essas reflexões e propõe uma nova perspectiva de análise da enunciação das histórias em quadrinhos, pois observamos a constituição de uma unidade entre os signos no nível da leitura, que chamamos de unidade plurissemiótica, elemento que influencia o processo de tradução dessa forma de linguagem. Como a representação da cultura do outro se configura a partir da relação de complementaridade entre fotografia, desenho e texto, a análise da tradução dessa obra põe em relevo questões como a alteridade, a identidade, o contraste e a semelhança entre as três culturas envolvidas na criação e leitura da obra: a francesa, a afegã e a brasileira. Nesse sentido, exploramos as contribuições de diversos estudiosos que se dedicaram à investigação da representação cultural na tradução, dentre eles Venuti (1998) e Aubert (2006), para chegarmos à concepção das noções de marcador cultural verbal, icônico e verbo-icônico, tendo em vista a especificidade do processo de tradução dos quadrinhos. As análises realizadas partem da relação de complementaridade entre os códigos verbal e imagético e de como essa relação entre os signos constrói um conhecimento sobre o outro no original, que se transforma na tradução; dessa forma, o desenvolvimento de conceitos específicos relacionados a esse tipo específico de tradução, como a unidade plurissemiótica e os marcadores culturais verbais, icônicos e verbo-icônicos, coloca em relevo a sua singularidade.

Início
Data Início
Hora Início
02:00 pm
Término
Data Término
Hora Término
06:00 pm
Local
Av. Professor Luciano Gualberto, 403 - Sala 261